top of page
  • martins363

O MERCADO DE SEGURANÇA E AS STARTUPS


COMO SE PREPARAR O PROTAGONISMO EM UM SETOR QUE PASSA POR UMA PROFUNDA TRANSFORMAÇÃO O termo Sectech, usado para designar as startups de segurança, merece um olhar atento das empresas tradicionais do mercado e de investidores. O BID* (Banco Interamericano de Desenvolvimento) estima que a violência imponha ao Brasil um custo de US$ 91 bilhões por ano (~R$350 bi, em valores atuais), sendo que os custos privados respondem por 36% (R$ 126 Bi), os públicos a 48% (R$ 168 Bi) e os sociais a 16%(R$ 56 Bi). Além de seu tamanho, o mercado de segurança tem sua operação baseada em pessoas colocando procedimentos em prática, justamente o tipo de atividade que será substituída por soluções baseadas em tecnologias emergentes. Um grande mercado em profunda mudança é terreno fértil para a inovação.

E AS STARTUPS? As grandes transformações tecnológicas criam novos conceitos, mercados e oportunidades, e, por isso, devemos observar as margens do processo. Por exemplo, estamos vivendo mudanças na mobilidade urbana, graças à tecnologia, mas outros setores serão contaminados. Pense nos espaços, hoje destinados a estacionamentos, que serão criados e em como a inovação tratará de transformá-los. O mesmo acontecerá com a segurança privada. As novas tendências farão mais do que uma substituição da mão-de-obra por sistemas autônomos: criarão novas oportunidades e segmentos. Embora as empresas estabelecidas possam se adaptar e criar novos negócios, a história tem mostrado que a elas falta a agilidade, o mindset e o interesse em promover uma disruptura de seu próprio modelo. Assim, as próximas aplicações da área de segurança provavelmente serão criadas por empresas ainda em estágio inicial.

O CENÁRIO PARA AS STARTUPS Levar um produto de tecnologia para o mercado nunca custou tão pouco. Hoje, os empreendedores dispõem de insumos sob demanda, mas não é só isso: as metodologias de desenvolvimento de negócios mudaram, permitindo ciclos curtos de validação e gerando um aprendizado rápido das necessidades dos usuários. Por fim, as startups estão na moda e isso favorece a sua aceitação . Contudo, é preciso investimento para que elas cresçam rápido. Desde 2013, o investimento de VC (venture capital) no Brasil aumentou quase 10 vezes, superando R$ 2 Bi no ano passado, tornando-o líder da América Latina. Como resultado, nos últimos anos criamos nossos primeiros unicórnios (empresas cujo valor supera US$ 1 Bi): 99, NuBank, PagSeguro. E outros virão em breve.

CLIENTE ANJO: UMA PROPOSTA PARA O SETOR DE SEGURANÇA Muitas empresas têm apostado em parcerias com aceleradoras, ajudando startups do seu mercado a alavancar os negócios através do emprego de metodologias ágeis e enxutas, de ferramentas de apoio, espaço físico, mentoria e investimento. Em troca, podem ficar com uma parte do negócio. No mercado de segurança, ainda vemos uma grande distância entre as empresas estabelecidas e as startups. A criação, pela ABESE, do Comitê de Startups tem como objetivo reverter esta situação e criar oportunidades de aplicação de inovações e investimentos. Um primeiro passo para essa aproximação pode ser o modelo de “Cliente Anjo”. Neste, as empresas adotam uma ou mais soluções de startups, a contratante obtém tecnologia em primeira mão e pode firmar acordos estratégicos sem realizar investimentos de risco. Para as startups, é uma oportunidade de validar e ajustar mais rapidamente seu modelo enquanto gera receitas.

A segurança, como um negócio, sofrerá mudanças profundas nos próximos anos, em decorrência das novas tecnologias. Para sobreviverem, as empresas de hoje precisam se aproximar das de amanhã.

34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page